Abelha, especie do mes

Abelhas

Elas são a maioria entre os animais polinizadores que garantem a reprodução de 70% de todas as plantas do mundo1.

Assim como eles, dependem das flores para se nutrir e, algumas, também produzem um alimento muito doce, completo e com efeitos medicinais. Podem gerar um certo temor quando as temos por perto, porque a sua defesa é um ato final para elas e uma picada dolorosa para nós.

São tão importantes que começam a ter proteção legal nalguns países, além de estimular outras formas de fazer os cultivos. E até já se plantam jardins especiais, para que aí se alimentem, em cidades como Londres e Paris.

Em que lugares do mundo vivem?

As abelhas vivem em todos os continentes do mundo, exceto na Antártida2. Podem ser encontradas desde do nível do mar até às mais altas montanhas. Algumas espécies de abelhões do género Bombus podem viver a 5.600 m de altitude e foram encontrados exemplares que podem chegar a voar a 9.000 m3. As abelhas do mel (Apis spp.), não hibernam e podem sobreviver a temperaturas máximas de mais de 50ºC4 e mínimas de – 80ºC (por algumas horas)5, porque conseguem manter uma temperatura estável dentro das colmeias (entre 32 e 36ºC)6.  Se estão fora da colmeia podem entrar em coma a 9ºC e morrem entre -2 e -6ºC.

Flor de maracujazeiro com uma mamangava e abelhas do mel (Apis mellifera). Todas recolhem mel e pólen, mas só as abelhas grandes é que polinizam estas flores de forma eficiente. Imagem © Maiza Felipe Saffioti

Onde se podem ver / encontrar?

Podemos encontrar abelhas em todos os ambientes que tenham plantas com flores, incluindo os desertos. Cada abelha é também um pequeno ecossistema. Todas as abelhas têm microbiota, ou flora intestinal, formada no caso dos abelhões (Bombus spp.) por diferentes espécies de bactérias e fungos dependendo dos ambientes onde vivem7. As abelhas do mel, Apis spp., têm 8 a 10 espécies de bactérias e essas espécies variam dependendo da época do ano8. A maioria das abelhas é diurna, com horários de atividade em função dos períodos de abertura das flores onde recolhem alimentos. Porém, algumas espécies estão adaptadas a condições de pouca luz e vivem principalmente em florestas tropicais, podendo ocorrer também em zonas subtropicais, temperadas e áridas. Recentemente foram estudadas espécies de abelhas com hábitos crepusculares e noturnos, na floresta tropical de Daintree, na Austrália9.

Onde há mais espécies e como estão distribuídas no mundo?

Recentemente vários cientistas mapearam todas as espécies de abelhas e descobriram que elas distribuem-se no mundo com uns padrões bem definidos: contrariando a tendência da maioria de plantas e animais, há mais espécies de abelhas nas latitudes médias do planeta, nos ambientes secos e temperados, do que nas regiões equatoriais e tropicais. Também existe maior diversidade de abelhas em desertos e ambientes onde há plantas mais baixas com flores, do que nas florestas10.

Imagem Sergey Shmidt
As abelhas do mel (Apis spp.) visitam mais de 4 milhões de flores para produzir 1 kg de mel25

O mel é um alimento muito nutritivo mas perde qualidade se for aquecido a mais de 40ºC.

Quais os seus tamanhos e formas?

Uma das primeiras imagens de uma abelha gigante de Wallace viva. Megachile pluto, é aproximadamente 4 vezes maior do que uma abelha europeia. Imagem Clay Bolt.

A espécie mais pequena é a Perdita minima, tem menos de 2 mm, é solitária e vive no deserto de Sonora (EUA)11. A maior é a Megachile pluto, chegando a medir 6 cm (do tamanho do polegar de um adulto) e foi encontrada numa ilha pouco explorada da Indonésia, no arquipélago das Molucas do Norte12.

Quantas espécies há e como surgiram?

Existem mais de 20.000 espécies de abelhas conhecidas no mundo, das quais 1.100 se encontram na Península Ibérica13. As abelhas surgiram há uns 100 milhões de anos, com o aparecimento das primeiras plantas que produziram flores (Angiospermas)14. Diferenciaram-se das vespas e passaram a alimentar-se de pólen, néctar e óleos florais15. O fóssil mais antigo encontrado até à data tem 74 milhões de anos e é da abelha Trigona prisca16, uma espécie extinta. Há 500 espécies de abelhas que não têm ferrão. Vivem nas Américas, África e Oceânia17.

Que tipo de relações têm com outras espécies.

As abelhas têm relações de mutualismo com as plantas que lhes proporcionam néctar (contém açúcares), pólen (contém proteínas), resinas e óleos florais, retribuindo-lhes com a polinização das suas flores. Como indicado acima, têm relações simbióticas com bactérias e fungos, e as espécies que as abelhas têm desses microrganismos podem depender dos ambientes onde vivem, ou variar ao longo do ano, em função das flores disponíveis.

Entre as abelhas, há uma grande diversidade de formas de vida, que vai de espécies solitárias (a maioria, mais de 75%)18, a outras que se organizam em colónias numerosas e muito estruturadas (cerca de 10%). Entre estas últimas, encontramos as 11 espécies que fazem colmeias, produzem muito mel e podem picar, além de cerca de 500 espécies de abelhas sem ferrão que vivem em regiões tropicais e produzem um tipo de mel mais líquido19. A única espécie de abelha domesticada é a Apis mellifera, que conhecemos como abelha do mel.

Existem também algumas abelhas chamadas cleptoparasitas, que usam os ninhos e alimentos de outras 13%). As abelhas têm predadores (aves insectívoras, vespas, libélulas, entre outros) e parasitas (alguns ácaros, bactérias e fungos).

Imagem Hebert Santos
Os machos das abelhas do mel não têm ferrão. Só as fêmeas picam. 

O ferrão é uma estrutura que tem farpas, está conectado à parte final do abdómen da abelha e fica preso quando ela pica como defesa. Ao tentar retirá-lo, o intestino rompe-se e ela morre.

Ameaças e medidas de conservação

O declínio e as medidas de conservação das abelhas

O alarme geral foi dado em 200720, quando se publicou na América do Norte uma avaliação sobre o declínio dos polinizadores e os seus impactos na agricultura. Os resultados evidenciaram o chamado síndrome de desaparecimento das abelhas, com uma diminuição anual de 30% do número de abelhas  do mel (Apis mellifera)21, que é a espécie mais conhecida e espalhada no mundo. Sete anos mais tarde foi a vez de avaliar o estado das abelhas na Europa. Mais de metade das espécies europeias não pôde ser avaliada por falta de dados. Entre a outra metade das espécies, cerca de 25%, estão em declínio22. A partir destes resultados vários países europeus começaram a implementar programas de proteção para a conservação das abelhas, sobretudo nas áreas agrícolas. Afinal, trata-se de um desafio estratégico global que nos afeta a todos: a maioridade dos frutos, vegetais e sementes que proporcionam alimentos, fibras, remédios e combustível, dependem de animais para a sua polinização.

Hotel de insetos em Lambeth Parks, Londres. Imagem Eko-Kya

Como ajudá-las:

  • Plantar jardins, canteiros, margens de caminhos e cultivos com diversidade de plantas nativas com flores. As abelhas usam espaços pequenos e, se o conjunto dessas plantas for tendo sempre flores ao longo da primavera e do verão, é possível a conservação de populações saudáveis. 
  • Criar zonas de nidificação e proporcionar alguns pontos de água. As abelhas solitárias fazem os ninhos em pequenos orifícios no chão e em troncos. Os chamados hotéis de insetos são um bom recurso para elas.
  • Regular e reduzir o uso de pesticidas
  • Evitar espécies exóticas, porque muitas vezes com elas chegam outros organismos que podem gerar doenças e outras ameaças para as espécies locais.

Como nos podemos relacionar melhor com elas23?

Imagem Anni Kat

Em espaços naturais, jardins e hortas

Evitar:

  • Movimentos bruscos e suores frios. Ambos põem em alerta e acionam os mecanismos de defesa de abelhas e vespas. Manter a calma é a melhor proteção.
  • Soprar para afugentá-las. O dióxido de carbono que expulsamos na nossa expiração provoca alarme e desencadeia comportamentos de defesa.
  • Deitar-se num relvado ou prado se levar roupas de cores, e/ou tiver usado substâncias perfumadas (champô, gel, hidratantes, cremes, sabonetes, perfumes, etc.). Elas aproximam-se para investigar uma possível fonte de alimento.
  • Andar sem calçado num prado de flores onde estejam abelhas, abelhões e vespas.
  • Estar perto de ninhos de abelhas e vespas. Convém manter-se a uma distância prudente de 3 m no mínimo.
  • Obstruir as rotas de voo dos animais. Evite ficar em frente da entrada dos ninhos, mesmo que esteja a uma certa distância delas.  Se os quiser observar, situe-se a um dos lados da entrada.
A maioria das espécies de abelhas são solitárias, mas quase imperceptíveis como esta pequena abelha que recolhe pólen numa flor de urucum.
Imagem ©Marilda Cortopassi-Laurino
Mais de 75% das abelhas são solitárias. São discretas e pouco conhecidas. Muitas delas vivem em desertos24

Há espécies de abelhões (Bombus spp.) que cultivam fungos nos seus ninhos.

Convém:

  • Recolher a fruta no momento em que estiver madura ou quase. Retirar as frutas que estiverem no chão. As vespas têm preferência por elas.
  • Colocar redes mosquiteiras nas portas e janelas. Além de evitar a entrada de abelhas e vespas, também impedem o acesso de mosquitos. As vespas regressam aos ninhos ao anoitecer e guiam-se pelas fontes de luz.
  • Em piqueniques para desviar a atenção das vespas e abelhas da sua mesa, prepare um lugar alternativo a uns 5 a 10 metros de distância para que aí se alimentem. Pode colocar uvas maduras ou outras frutas que também tenham um alto conteúdo de açúcar.
  • Tapar os recipientes com bebidas adocicadas e não beber diretamente de latas e garrafas, prefira colocar a bebida num copo ou usar uma palhinha (preferentemente reutilizável).
  • Se detectar ninhos de abelhas ou vespas em edifícios contacte os bombeiros ou associações
  • Se encontrar uma abelha no chão, sobretudo em dias quentes, ela deverá estar exausta ou desidratada. Pode ajudá-la pondo-lhe algumas gotas de água ou mel perto da boca. Quando estiver recuperada, voará e continuará o seu trabalho.

Sugerimos

Descobrir…

Viu, fotografou e quer saber qual é a espécie?

Wilder & Biodiversity4all
Sites que proporcionam a identificação de espécies fotografadas

Quer saber mais sobre as abelhas?

SITES
A.B.E.L.H.A

PARA ESCOLAS
Ciencia Viva

PARA CRIANÇAS
Fábula ilustrada de Karthika Nair & Joëlle Jolivet, J. The honey hunter. 2015
Le Tigre de Miel – Joëlle Jolivet & Karthika Naïr
(Também em Francês) Le tigre de miel. Hélium éditions, 2013
(Alemão) Der Honigdieb. Gestalten, 2014
(Bengali) মধু শিকারি 2015

VIDEOS

imagem de capa Erik Karits


  1. Cerca de 70% das plantas do mundo precisa de polinizadores, tendo em conta o total de espécies de plantas conhecidas pela ciência (374.000 até 2016), sendo que 258.460 delas são plantas com flores e que 87,5% destas depende em alguma medida de animais para a sua polinização.
    Dados e estimativas de: Ollerton, J., Winfree, R, & Tarrant, S. (2011). How many flowering plants are pollinated by animals? Oikos 120:321-326. e Christenhusz, M.J.M & Byng, J.W. (2016). The number of known plants species in the world and its annual increase. Phytotaxa, [S.l.], v. 261, n. 3, p. 201–217, may 2016.1179-3163.
  2. Molina, C & Bartomeus, I. (2019). Guía de campo de las abejas de España. Castellón: Tundra..p:23.
  3. Dillon M.E. & Dudley, R. (2014). Surpassing Mt Everest: Extreme flight performance of alpine bumble-bees. Biol. Lett. 10 (2):20130922
  4. Kovac, H. et al (2014). Metabolism and upper thermal limits of Apis mellifera carnica and A. m. ligustica. Apidologie. 2014; 45(6): 664–677.
  5. Southwick, E.E. & Heldmaier, G. (1987). Temperature control in Honey Bee Colonies. BioScience 37 (6):395-399.
  6. Ídem Ref. 5
  7. Bosmans, M et al. (2018). Habitat-specific variation in gut microbial communities and pathogen prevalence in bumblebee queens (Bombus terrestris). PLoS ONE 13(10): e0204612.
  8. Kešnerová, L.et al. (2020). Gut microbiota structure differs between honeybees in winter and summer. ISME J. 14, 801-814.
  9. Dorey, JB, Fagan-Jeffries, EP, Stevens, MJ & Schwarts, MP. (2020). Morphometric comparisons and novel observations of diurnal and low-light-foraging bees. Journal of Hymenoptera Research 79:117-144.
  10. Orr et al., Global Patterns and Drivers of Bee Distribution, Current Biology (2020) link
  11. Buchman, S. Perdita minima – “World’s smallest bee”. USDA. link
  12. Bolt, C. (2019). Rediscovering Wallace’s Giant Bee. Global Wildlife Conservation.
  13. Herrera, C.M. em: Molina, C & Bartomeus, I. (2019). Guía de campo de las abejas de España. Castellón: Tundra. p: 13-15.
  14. Molina, C & Bartomeus, I. (2019). Guía de campo de las abejas de España. Castellón: Tundra..p: 23.
  15. Molina, C & Bartomeus, I. (2019). Guía de campo de las abejas de España. Castellón: Tundra..p: 27.
  16. Michener, C.D. & Grimaldi, D.A. (1988). The Oldest Fossil Bee: Apoid history, evolutionary stasis, and antiquity of social behavior. Proceedings of the National Academy of Sciences 85(17):6424-6
  17. Michener, C.D. (2007). The bees of the World. John Hopkins Press.
  18. Danforth, B.N, Minckley, R.L. & Nef, J.L. (2019). The Solitary Bees: Biology, Evolution, Conservation. Princeton University Press. p. 25
  19. Michener, C.D. (2007). The bees of the World. John Hopkins Press.
  20. National Research Council. (2007). Status of Pollinations in North America.
  21. Imperatriz-Fonseca, V.L et al. (Orgs). (2012). Polinizadores no Brasil: contribuições e perspectivas para a biodiversidade, uso sustentável, conservação e serviços ambientais. São Paulo: EDUSP. p 19
  22. Molina, C & Bartomeus, I. (2019). Guía de campo de las abejas de España. Castellón: Tundra..p: 35
  23. Algumas indicações baseiam-se em: Menkhoff, I. & Jutta, G. (2014). El gran libro de las abejas. Fackelträger. 320 p.
  24. Danforth, B.N, Minckley, R.L. & Nef, J.L. (2019). The Solitary Bees: Biology, Evolution, Conservation. Princeton University Press. p. 25
  25. https://abelha.org.br/curiosidades/
Partilhar

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>